terça-feira, dezembro 27, 2005

conto A Sentença

Em dezembro de 2005, em Piracicaba, este conto ganhou uma menção honrosa no Concurso Escriba de Contos

A sentença - por Sonia Regina Rocha Rodrigues

Por que não morre?
O pensamento passou leve como a lembrança da fala pertencente a uma personagem ausente em um drama distante. Quase a adormecer de cansaço, ela estremeceu. E nunca mais seu coração descansou.
Ela recordava como olhara com prazer e orgulho as bochechas rosadas do caçula no sono profundo dos bebês desejados. À memória vinha também o riso gargarejante, as mãozinhas buliçosas, o olhar curioso do garotinho tão amado até que...
Ele não se sentou na idade em que os bebês costumam sentar-se, começou a engasgar, a respirar mal e o chocalho lhe caía das mãos.
A rotina da casa transformou-se. Os médicos se contradiziam, os exames tardavam, as agendas lotavam-se de fisioterapias, consultas a especialistas, internações.
O nome da doença degenerativa progressiva involutiva crônica ela não entendeu. Só soube que o filho ia piorar, não tinha cura, não passava para os irmãos mas necessitava de cuidados constantes.
Imersa em dor ela nem percebeu que as semanas viraram meses e depois anos. Agora, enfermeira em tempo integral, afastara-se do emprego, privava-se dos benefícios do trabalho. a pós-graduação que iniciara foi abandonada. Evitava os amigos e desestimulava as visitas dos parentes, fosse algum trazer do mundo exterior algum vírus letal ao doentinho.
As crianças mais velhas recebiam beijos apressados e olhares distraídos. Desde o início da doença, o pai passara a levar os maiores para a escola, ia buscá-los e nos fins de semana afastava-se com eles para o futebol. E uma tarde, estando o caçula hospitalizado, ela retornou para uma casa vazia. O marido requereu o divórcio e aa guarda dos filhos maiores, com total apoio dos sogros.
Do leito frio para os corredores silenciosos, ela se consumia entre fraldas, alimentos, remédios e inaladores.
Ora, aconteceu de o garoto da esquina, portador de síndrome de Down, falecer a caminho do hospital. A vizinha se descuidara do médico, atarefada entre entregas de iogurte caseiro e a lavagem das roupas das clientes. Em um ano procurara o pediatra uma única vez e recusara-se a ouvir que o filho, além de diferente também fosse doente cardíaco, apesar de perceber o rosto inchado e da respiração difícil do garoto.
Nesta noite ela soube, conversando com amigos pediatras, que alguns médicos consideram grande parte das mortes acidentais de crianças deficientes como homicídio inconscientemente elaborado.
Esquecendo a torneira da banheira aberta, a panela de água fervente com o cabo para fora, medicamentos em locais de fácil acesso, um janela aberta....um acidente libera os pais daquele pesado fardo. O descaso pelo acompanhamento médico de um garoto Down, segundo estes médicos, enquadrava-se na definição do tal ‘homicídio inconscientemente elaborado’.
Ela ouvia aterrorizada, discordando, pois o coração de qualquer mãe desdobra-se em sacrifícios pela prole! Não é sempre assim?
Aquela noite, ao debruçar-se sobre o rostinho adormecido de seu próprio filho, o pensamento apenas sugerido:
Por que não morre?
Ah, como ela desejava de volta a sua vida – seu trabalho, sua tese, seu lazer, seus cuidados pessoais, seus amigos, seu marido.
Quando ela era uma menina, o professor de catecismo, em uma aula, leu da Bíblia estas palavras cruéis e definitivas:
“Pois eu lhes digo que aquele que olhar com desejo para a mulher do próximo, em seu coração já cometeu adultério.”
Ela escutou as explicações do padre, inconformada por ser tão difícil ser bom! Revoltou-se:
Então, padre, quando a gente pensa em mentir mas conta a verdade e quando uma pessoa pensa em roubar mas não rouba, se segura e faz o que é certo? Então, isto não vale nada?
E o padre confirmou:
Pequena, aquele que pensou no pecado, já pecou em seu coração.
Ela tumultuou a aula. Tanto sacrifício para nada! Jesus era um deus muito exigente!
Desse dia em diante, ela passava o dedo no glacê dos bolos de aniversário às escondidas e roubava biscoitos no pote guardado no armário. Se já pecara mesmo...
O professor de catecismo dizia umas coisas esquisitas, algumas ela jamais entendera, mesmo que estivessem na Bíblia, este livro cheio de mistérios.
A angústia da noite em que ela pensou “por que não morre?” não se aliviou em lágrimas, antes tirou-lhe o sono, o apetite e até a alegria de cuidar do doentinho.
Ela contratou duas enfermeiras para garantir que cada gesto seu fosse vigiado, tal o medo que passara a sentir de adormecer em hora imprópria, misturar os frascos dos remédios, esquecer de agasalhar o menino em uma noite fria.
Nunca o pequeno fora tão bem lavado, penteado, perfumado e enfeitado. Com que capricho ela mantinha seu quarto imaculadamente limpo! Com que cuidado escolhia para ele os legumes mais fresquinhos e as frutas mais saborosas!
Ela ia definhando a cada dia sem que ninguém suspeitasse que, por detrás das olheiras e das faces pálidas, ela agora compreendia como ninguém outra das estranhas afirmações do professor de catecismo:
“Deus não castiga ninguém. É o pecado que traz em seu bojo o seu próprio castigo.”

3 comentários:

philgreene5938 disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.